Pintada em 1428 para o Cardeal de Siena,Antonio Casini, cujo brasão de armas é pintado na parte de trás da obra. Mas pouco se sabe sobre sua trajetória até ser recuperada entre as obras roubadas pelos alemães na Segunda Guerra, tendo sua autoria atribuída a Masaccio apenas em 1950 pelo historiador da arte Roberto Longhi.

Masaccio Madonna Casini Brasão

A o obra do pintor em exibição no museu Uffizi, é uma pequena têmpera sobre madeira de 24 x 18 cm, que recebe a carinhosa denominação de Madonna del solletico ou a Virgem das Cócegas, pois retrata Maria de fisionomia séria como mandava a iconografia da época, mas brincando com o filho que sorri ternamente. Um detalhe curioso é o pequeno amuleto de coral vermelho ao redor do pescoço do menino Jesus, para proteger do mau-olhado, estabelecendo um vínculo entre a dupla natureza de Cristo, humana e divina.

Captura de Tela

O aspecto das fisionomias realçadas pelo contraste entre o claro e o escuro e a atitude humana da Virgem e do menino Jesus são sinais impressionantes da revolução que acontecia no campo da arte durante o primeiro Renascimento, nítida na comparação entre as duas obras do pintor em exibição na Galleria degli Uffizi.

Pintura Madonna cliente de Masolino e Masaccio

A pequena obra tinha de ser quase certamente pertenceu ao cardeal de Siena, Antonio Casini.. O cardeal,com caráter culto e refinado, amigo do Branda Castiglione (cliente de Masolino e Masaccio) tinha contato com muitos humanistas e é provável que ele escolheu o pintor florentino após a saída de Masolino para a Hungria.

Madonna Del Solletico

A antiga história do trabalho é desconhecido. Foi descoberto em 1947 por Rodolfo Siviero trouxe-o de volta na Itália entre as obras-primas roubadas pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. exposta na coleção Loeser no Palazzo Vecchio, foi novamente roubado em 1971 e novamente dois anos mais tarde encontrado por Siviero. Desde 1988 é o Uffizi.